sábado, 11 de julho de 2009

AMIZADE DE PAPEL


Acabou,
Aquela amizade fiel,
O coração de mel,
Que era só um,rompeu,
Tornou-se dois, de fel.
Não sobrou o afeto,
Nem o amor prometido
E a cumplicidade,
Parece não ter existido.
Cadê a confiança,
A aliança de irmãs?
A amiga predileta
Eu era tua fã...
E a amizade eterna,
Em efêmera se tornou,
Um amor tão divino
Era lindo, mas não sobreviveu.
Hoje o que era cálido
Ficou pálido e morreu
Nossa amizade era um céu
Amargou, ficou cruel
Amizade tão forte,
Rasgou, era de papel.



12/07/2009 Tereza Neumann

Um comentário:

re disse...

Muito lindo poema apesar de triste...muita sensibilidade!
Bjos de sua amiga Renata