terça-feira, 2 de junho de 2009

POEMA AO TEATRO DA VIDA


FABULOSA VIDA, CENÁRIO REAL
MÁGICOS PALHAÇOS COMPONDO QUIMERAS
MARIONETES VIVOS,INTERPRETES DESSE CORDEL GENIAL
ESPETÁCULO ABERTO, SEM FILA DE ESPERA

AH! SE NA VIDA SÓ EXISTISSEM PALHAÇOS...
SONHADORES,ILUSIONISTAS, REIS DA ALEGRIA
VENDEDORES DE SONHOS, CRIADORES DE UM MUNDO ENCANTADO
INÚMEROS CARLITOS, FAZEDORES DE RISO E DE MELANCOLIA

A MOÇA DA VIDA REPRESENTA SUA PANTOMIMA
DESPERTA MALÍCIA NOS TRANSEUNTES DA DOR
PAPEL DE MERETRIZ DE UM BORDEL DESBOTADO, FRIO E INCOLOR

O HOMEM BÊBADO, POETA DO INFORTÚNIO
RODOPIA, DANÇA NA CHUVA, FAZ PIRUETAS E GIRA CAMBALHOTAS
A PLATÉIA SE DIVERTE FAZENDO GALHOFAS

O VENDEDOR DE SOMBRINHAS, PÁRIA QUE COMOVE O TEMPO
ARMA GIRASSÓIS MULTICOLORES
GIRÂNDOLAS NA CHUVA, BALANÇA CONTRA O VENTO

SOU UM FANTOCHE DESSE CIRCO MAGISTRAL
ESPECTADORA OCULAR DE TANTA ESTESIA
NO ÚLTIMO ATO DA PEÇA, VEM A MORTE E VESTE SUA FANTASIA

TOCA A CIRANDA
FAZ-SE SILÊNCIO
CERRAM-SE AS CORTINAS
APAGAM-SE AS LUZES
ACABA A MAGIA



14/05/2006 TEREZA NEUMANN
Postado por Tê às 16:18

Um comentário:

Ângela Coelho disse...

Tê! Se Deus quiser vou conhecer a Bahia em Dezembro. Fizestes uma boa comparação a nossa vida é um grande circo, somos todos palhaços e termina a encenação(vida) com a morte. Gostei da tua poesia e do teu blog.
Beijos no teu coração.