quarta-feira, 3 de junho de 2009

TRISTE LAMENTO DO VENTO


Angela quantas pessoas devem estar com frio, agora?

VENTANIA,
ACORDA-ME COM O SEU GEMIDO,
AS RUAS TOMADAS PELO LIXO,
E O CÉU ESCURO, TRISTE AO SEU LAMENTO...
NEM LUA, NEM ESTRELAS,
PRA ABRANDAR A ESCURIDÃO,
SÓ O VENTO É DONO, DESSA IMENSIDÃO...
OLHO PELA VIDRAÇA DA SALA,
A NÉVOA RALA, COMO FUMAÇA,
E NÃO ENXERGO UM PÉ DE GENTE...
SÓ A TRISTEZA DA RUA DESERTA,
AQUEBRANTADA POR PASSOS LARGOS,
ALGUÉM PASSA, COMO UM FANTASMA EMBRIAGADO,
DE MÃOS DADAS COM O VENTO,
ATÉ A PORTA DE CASA.
E O LAMENTO DA VENTANIA,
DERRAMA AS LÁGRIMAS DA CHUVA,
SALPICANDO A MINHA VIDRAÇA.
TRISTE NOITE, QUE ENTRISTECE MINH'ALMA,
COMO A CHUVA NÃO CONTENHO AS LÁGRIMAS...
PASSA UM RIO, DE ENXURRADA,
UM RIO TRISTE E VAZIO...
LEMBRO DE ALGUÉM, SEM MORADA,
QUE LITERALMENTE,
ESTÁ MORRENDO DE FRIO...



01/08/06 TEREZA NEUMANN

Um comentário:

Ângela Coelho disse...

Tê! Que dom maravilhoso que tens, consegues transformar uma palavra como o frio em uma triste mas bela poesia. Minha filha é poeta e meu genro é contista. Temos uma editora que está participando da feira do livro em Santa Cruz do Sul. Se quiseres conhecê-la entra no site: www.editoranovitas.com.br.
Obrigada pela visita.
Beijos no teu coração.