sexta-feira, 19 de setembro de 2008

SONETO DE MUDANÇA DE ESTAÇÃO


Nathan de Castro


A tarde me conduz a um novo verso
e pra mudar o tom da sinfonia
escrevo este soneto sem as rimas,
para que o peito aprenda outro compasso.


Falar de amor e luas de setembro
deixa-me um vento frio de esperança,
mas quando o verso vem todo acertado,
não acontecem sóis de primavera.


Silêncio dos pardais... Chegou a noite
e o sorriso da amada não responde
o verso apaixonado do poeta,


que já fugiu das páginas do inverno,
mas tem na face as marcas e os estragos
das sombras agourentas dos agostos.

2 comentários:

Sonetos & Rabiscos disse...

Teka,
obrigado pelo carinho e pela publicação do meu soneto em seu blog.
Uma bela tarde de sábado
e uma primavera de flores para você.
Abraço,
Nathan de Castro

Cristiano Oliveira disse...

Acredito que qualquer coisa que eu eu venha a comentar a cerca deste que afirmo ser um maravilhoso Soneto se faça desenecessaria dada a beleza e singularidade do mesmo.

Perfeito seria uma palavra que não estraria em contraste com minha observação anterior.

Perfeito!